Correio dos Campos

Copa do Mundo volta a ser realizada em Ponta Grossa

2 de Maio de 2019 às 10:49

IMPRENSA/Ponta Grossa – Copa do Mundo em Ponta Grossa? Teve sim. Em 1978 o professor Antonio José França Satyro criou, através da sua Fundação 31 de Março, a Copa do Mundo de Ponta Grossa, reservada para atletas veteranos realizada nos moldes da competição realizada a cada quatro anos pela FIFA. Até o ano 2000 foram realizadas sete edições, com eventos que extrapolavam o futebol, festejando as diversas etnias que formam os Campos Gerais do Paraná.

A Prefeitura de Ponta Grossa sempre foi parceira de Satyro na promoção da Copa do Mundo e o secretário Marco Macedo, dos Esportes do Município, acredita que o momento é propício para reviver esta tradição, atendendo o anseio de Antonio Carlos Maciel, o Véio, e José Alves de Faria Filho, o Zezinho, Carlos Alberto de Oliveira, o Magoo, e outros esportistas que participaram da Copa.

“A intenção é realizar a Copa do Mundo inda neste ano, possivelmente durante as festividades do aniversário de Ponta Grossa, em setembro, colocando-a no calendário oficial da Secretaria Municipal de Esportes”, destaca Macedo.

Para o Véio Maciel esta é uma oportunidade de homenagear o professor Satyro, que além da Copa do Mundo foi o idealizador dos Jogos Estudantis da Primavera. “É um exemplo de dedicação e amor ao esporte, sempre valorizando o civismo e a disciplina, que nunca deixou de sonhar com a continuidade da Copa do Mundo.”

O diretor de Esportes da SMESP, Luciano do Vale Moreira, é um entusiasta da ideia e destaca a importância de uma competição voltada para os veteranos, que servem de exemplo para as novas gerações. “Temos jogadores com cinquenta e sessenta anos praticando o futebol suíço nos clubes e participando dos campeonatos máster da Liga de Futebol e agora têm a oportunidade de disputar a Copa do Mundo, em campos oficiais e com premiação especial”, completa o dirigente.

Atualmente residindo em Curitiba, o professor Antonio José França Satyro sofreu um infarto e está internado. “Felizmente teve uma melhora, mas o estado é delicado”, afirma o seu filho, também Antonio, que espera pela recuperação para contar a novidade. “Ele vai ficar feliz, nunca perdeu a esperança de ver ressurgir a Copa do Mundo”, finaliza.