Correio dos Campos

Piraienses gastaram quase R$ 2 milhões com bebidas alcoólicas em 2020

Estudo aponta que município teve aumento de 14,6% nos gastos da categoria no período de 2016 a 2019
2 de Maio de 2021 às 13:13
(Foto: Pixabay)

Por Pedro Dalcol Filho – Um levantamento realizado pelo IPC Maps, especializado em potencial de consumo com base em dados oficiais em todos os 5.570 municípios do País, revela o crescimento em relação às despesas com bebidas alcoólicas nos últimos anos em todo o Brasil.

Divulgado em fevereiro, mês em que é lembrado o Dia Nacional do Combate ao Alcoolismo (dia 18), o estudo aponta que nem o fato de a doença estar relacionada a uma série de complicações ao organismo, levando a sequelas irreversíveis e, inclusive, à morte de mais de 3 milhões de pessoas todos os anos no mundo, foi suficiente para reduzir o consumo de álcool nos últimos anos.

Segundo Marcos Pazzini, responsável pelo levantamento, “entre 2016 e 2019, os gastos no setor dispararam de R$ 25,3 bilhões para R$ 30,6 bilhões em todas as classes sociais”. Em 2020, por sua vez, houve um recuo de 26,9%, totalizando R$ 22,3 bilhões dos desembolsos nesta categoria (veja tabela anexa). Mas o cenário ainda é alarmante. Para Pazzini, a projeção é que esse tipo de consumo volte a subir, já que seu declínio é atribuído somente à recessão provocada pela pandemia, assim como aconteceu com a maioria dos setores econômicos. “A procura por bebidas alcoólicas está muito mais ligada a hábitos de consumo de parte da população, principalmente a mais jovem, que vincula diversão ao álcool”, considera o especialista.

A pesquisa na região

A pedido do Correio dos Campos, o IPC Maps revelou os dados obtidos pela pesquisa nos municípios de Piraí do Sul e Ponta Grossa, localizados na região dos Campos Gerais, no Paraná.

Em Piraí do Sul, o consumo de bebidas alcoólicas teve aumento de 14,6% entre os anos de 2016 e 2019. Mesmo com a queda de 4,8% revelada pela pesquisa entre 2019 e 2020, os piraienses aplicaram cerca de R$ 1,9 milhão no período para a compra de alcoólicos.

Ponta Grossa, por sua vez, registrou somente em 2020 a comercialização de aproximadamente R$ 50 milhões em bebidas alcoólicas, mesmo com a queda de 6,1% no gasto dos consumidores com a categoria entre 2019 e 2020.

A maior cidade da região, segundo o levantamento, também apresentou crescimento de 6,1% no consumo de alcoólicos entre 2016 e 2019.

No Paraná

De acordo com a tabela, no Estado do Paraná, entre 2016 e 2019 houve um aumento de 21,8% nos gastos da categoria. Já, quando comparado com os anos de 2019 e 2020, nota-se a queda de 9,5% no consumo, totalizando R$ 1,5 bilhão gastos pelos paranaenses.

Itens mais consumidos em Piraí do Sul

De acordo com dados coletados em um dos supermercados e em uma das distribuidoras de bebidas da cidade, o ranking dos itens mais comprados pelos piraienses em 2020 traz as cervejas no topo da tabela, seguida pela venda de vodkas e energéticos, com os vinhos e uísques figurando já de uma maneira bem mais modesta.

As informações obtidas na cidade apontam ainda que o consumo é maior entre quinta-feira e domingo e que as vendas se mostraram estáveis no período, mas com pequenos picos de aumento em algumas datas.

Os comerciantes entrevistados acreditam que a mudança no funcionamento de bares e lanchonetes fez com que os piraienses adquirissem os produtos e o hábito de consumi-los em casa.

 

Sobre o IPC Maps

Publicado anualmente pela IPC Marketing Editora, empresa que utiliza metodologias exclusivas para cálculos de potencial de consumo nacional, o IPC Maps destaca-se como o único estudo que apresenta em números absolutos o detalhamento do potencial de consumo por categorias de produtos para cada um dos 5.570 municípios do País, com base em dados oficiais, através de versões em softwares de geoprocessamento. Este trabalho traz múltiplos indicativos dos 22 itens da economia, por classes sociais, focados em cada cidade, sua população, áreas urbana e rural, setores de produção e serviços etc., possibilitando inúmeros comparativos entre os municípios, seu entorno, Estado, regiões e áreas metropolitanas, inclusive em relação a períodos anteriores. Além disso, o IPC Maps apresenta um detalhamento de setores específicos a partir de diferentes categorias.