Correio dos Campos

Setor da Construção Civil sente impacto com a Covid-19 e recua 30% na região

Apesar de não ter interrompido atividades em meio à pandemia, setor teve retração em abril, na região dos Campos Gerais
25 de Maio de 2020 às 14:56
(Reprodução/Internet)

COM ASSESSORIAS – Levantamento do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR), referente às Anotações de Responsabilidade Técnica (ARTs), que são registradas por profissionais de Engenharia junto ao Conselho, mostram que o setor da Construção Civil, na região dos Campos Gerais, já sente os impactos ocasionados pela Covid-19, apesar de não ter interrompido suas atividades em meio à pandemia. Em abril foram emitidas 822 ARTs, quase 30% a menos do que no mês anterior quando foram registradas 1.143 emissões.

Os números contemplam 22 municípios que fazem parte das inspetorias de Ponta Grossa, Castro e Telêmaco Borba, e englobam execuções de obras civis e serviços como avaliações, perícias, projetos, entre outros. Para o inspetor do Crea-PR, o Engenheiro Civil Alessandro Talevi Machado, a retração reflete a paralisação de alguns serviços executados ou prestados por empresas particulares e por órgãos públicos.

“Muitas instituições paralisaram temporariamente alguns atendimentos para analisar melhor o cenário que ainda é nebuloso. Em Telêmaco Borba, por exemplo, de um total de 300 funcionários de uma empresa, 90% ainda estão em casa. Além disso, em alguns municípios do Estado, com a redução da carga de trabalho e o isolamento social, projetos na área da Engenharia Civil deixaram de ser analisados e muitas atividades não foram executadas”, comenta.

Apesar dos números negativos registrados em abril, é possível notar que, no primeiro trimestre do ano, houve um incremento de quase 14% na comparação com o mesmo período de 2019. Foram registradas 3.393 emissões, contra 2.917 de janeiro a março do ano passado. Segundo dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), o setor movimentou R$ 230 bilhões em 2019, e representa 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do País, que foi de R$ 7,3 trilhões.

Proteção redobrada

O Crea-PR, por meio da Câmara Especializada de Engenharia Civil, faz um alerta aos profissionais da Engenharia Civil para que, além de se proteger, redobrem os cuidados com os locais de trabalho, exigindo dos demais trabalhadores a utilização dos equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados pelas normas, e reforcem a importância do uso de máscaras.

Entre as demais medidas de proteção, o coordenador da Câmara Especializada do Crea-PR, o Engenheiro Civil Hélio Sabino Deitos cita: “é importante disponibilizar água e sabão para lavar as mãos e equipamentos dos trabalhadores, bem como distribuir álcool em gel 70% em vários locais da obra, além de evitar aglomerações, principalmente nos intervalos para refeições, procurando intercalar turnos. Também é essencial fixar cartazes nas obras com informações sobre os cuidados e prevenção com relação à Covid-19, tanto no trabalho como no deslocamento e volta para as suas casas”, reitera o Engenheiro Civil.

O Gerente do Crea-PR Regional Ponta Grossa, o Engenheiro Agrônomo Vânder Della Coletta Moreno, lembra de mais uma das responsabilidades dos Engenheiros neste momento. “O Engenheiro Civil é o responsável técnico pela obra. É ele que deve garantir a aplicação de todo o regramento legal, bem como a utilização de todos os protocolos de segurança e saúde”, pontua.