Correio dos Campos

Sicredi faz captação histórica para financiar aquisição de equipamentos de energia solar dos associados

A captação de US$ 120 milhões (cerca de R$ 600 milhões) junto a organismo internacional é o primeiro de uma instituição financeira cooperativa brasileira a receber a certificação da Climate Bonds Initiative (CBI)
21 de Maio de 2021 às 10:36
Mais de 35 agências do Sicredi nos estados do Paraná e São Paulo funcionam com sistema fotovoltaico. (Foto: Divulgação)

COM ASSESSORIAS – Para atender à crescente demanda por crédito destinado à instalação de sistemas de energia fotovoltaica (energia solar), o Sicredi – instituição financeira cooperativa com mais de 5 milhões de associados e presença em 24 estados e no Distrito Federal -, buscou recursos fora do país, firmando acordo de parceria para captação com a International Finance Corporation (IFC), membro do Grupo Banco Mundial, para estimular projetos de energia solar. A linha de crédito internacional é de US$ 120 milhões (cerca de R$ 600 milhões) e vai financiar projetos de energia solar dos associados da instituição em todo o Brasil.

Primeira operação do IFC para uma instituição brasileira com certificação GLP

Esta é a primeira operação de uma instituição financeira cooperativa brasileira a receber certificação emitida pela Climate Bonds Initiative (CBI), organização internacional que atua para promover investimentos na economia de baixo carbono, estabelecendo as melhores práticas para o mercado em termos de integridade ambiental dos produtos de economia verde. A operação também detém certificação pelo Green Loan Principles (GLP), que atesta que os projetos oferecem benefícios ambientais claros e verificáveis e que os processos de avaliação e seleção, assim como a gestão dos recursos e o seu monitoramento, seguem padrões internacionais.

“A busca por iniciativas ecoeficientes, como o uso de energia renovável, está alinhada a um movimento global em busca da redução das emissões de gases de efeito estufa, ao qual estamos engajados no Sicredi. Buscamos sempre alternativas para que os nossos associados tenham acesso ao crédito de forma rápida e segura para apoiar seus projetos sustentáveis e, ao mesmo tempo, estamos criando soluções para também tornar a nossa atuação ainda mais sustentável”, explica o presidente executivo do Banco Cooperativo Sicredi, João Tavares. O executivo ainda coloca que a instituição desenvolveu mecanismos de gestão que permitem gerenciar e informar a aplicação dos recursos em projetos de energia limpa.

“Este projeto traz um instrumento financeiro inovador no mercado de crédito e faz parte do esforço da IFC de apoiar instituições financeiras locais com crédito e conhecimento. Ele está alinhado com as prioridades estratégicas para o Brasil, no seu papel na promoção do financiamento verde e na contribuição para a redução das emissões do gás de efeito estufa (GEE)”, disse o gerente-geral da IFC no Brasil, Carlos Leiria Pinto.

“A emissão do Sicredi demonstra a grande oportunidade que as instituições financeiras têm de impulsionar o mercado de títulos verdes e a economia do Brasil de maneira sustentável. Esperamos que essa operação seja um grande passo para o setor de energias renováveis no país”, comenta Tathyanne Gasparotto, diretora de Regiões da Climate Bonds Initiative.

Crescimento de mais de 100% na carteira de crédito

A carteira de crédito do Sicredi para financiamento de projetos para uso de energia solar no Brasil totalizou R$ 2,8 bilhões em fevereiro deste ano, com aumento de 104% em relação ao mesmo mês do ano passado. Do saldo atingido, R$ 1,6 bilhão foi destinado a associados Pessoa Jurídica (PJ), R$ 621 milhões para Pessoa Física (PF) e R$ 571 milhões para associados do campo (agricultura familiar, médios e grandes produtores).

Nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, o crescimento das operações também foi significativo, passando de pouco mais de 1,1 mil contratações, no primeiro trimestre de 2020 para 2,3 mil operações no mesmo período de 2021, um crescimento de 108%. Em volume, os recursos financiados para compra de equipamentos visando a geração de energia solar passaram de R$59,3 milhões, no primeiro trimestre de 2020, para R$97,2 milhões no mesmo período de 2021, aumento de 64% no valor total liberado.

Entre as alternativas criadas pelo Sicredi para atender aos associados, além do crédito para energia solar, está o Consórcio Sustentável, que funciona como uma poupança programada, permitindo adquirir o equipamento ecoeficiente a partir da contemplação por sorteio ou lances, fixos e livres. Atualmente, o Consórcio conta com planos de 60 a 120 meses para compra de geradores de energia solar ou eólico, equipamentos de tratamento de água e esgoto e de iluminação de LED e aquecedores solares para água, entre outros. A carteira atual do produto é composta por R$ 1,1 bilhão em créditos e 21 mil cotas. Em relação ao mesmo período anterior de 2020, o produto cresceu 37,8% em créditos e 21,6% em cotas.

Internamente, o Sicredi segue uma Política de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental que tem entre seus pilares a difusão da sustentabilidade, a gestão de riscos socioambientais e operação com eficiência. Na prática, essas questões norteiam projetos como a construção de agências sustentáveis, a exemplo da obra da sede da cooperativa Sicredi Itabuna, inaugurada na Bahia em novembro de 2020, e que foi feita no sistema de contêiner, sem utilização de água e sem geração de resíduos durante a construção, com uso de energia solar e sistema de elevadores que se recarregam automaticamente.

Estados de São Paulo e Paraná despontam em agências sustentáveis

Hoje já são mais de 35 pontos de atendimento ao associado nos estados do Paraná e São Paulo que funcionam com sistema fotovoltaico. Além das agências, o sistema de energia solar funciona nas sedes administrativas de diversas cooperativas ligadas à Central Sicredi PR/SP/RJ.

Somado ao propósito de sustentabilidade e ecoeficiência, o Sicredi neutralizou 27.272 toneladas de gases de efeito estufa (GEE) emitidas entre 2015 e 2019 pela operação da sede da Central Sicredi PR/SP/RJ, localizada em Curitiba (PR), e das 732 agências da instituição financeira cooperativa instaladas no Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. A neutralização foi efetuada por meio de diferentes ações, como a conservação de floresta nativa de Mata Atlântica em uma área de 85,5 hectares, que compensou 7.227 toneladas de CO2 emitidas entre 2015 e 2018. Já em âmbito nacional, os gases de efeito estufa (GEE) emitidos em operações de 2019 por todas as agências do Sicredi no país foram neutralizados por meio do apoio ao Projeto REDD+ Jari Pará – iniciativa que gera créditos de carbono de conservação florestal na Amazônia e tem o apoio da Biofílica. A ação neutralizou 35.793 toneladas de gases de efeito estufa emitidos em todo território nacional.