Correio dos Campos

Alegando negligência, família promete levar caso de morte de idosa na UPA Santa Paula à justiça

6 de julho de 2022 às 19:05
(Foto: Arquivo da família)

DA REDAÇÃO – Inconformados com a morte precoce de Beatriz Manosso Correia, de 63 anos, os familiares se pronunciaram nessa semana manifestando o desejo de acionar os responsáveis pelo atendimento da idosa na justiça.

Segundo os filhos, Beatriz morreu vítima de infarto um dia depois de ter passado muitas horas na Unidade de Pronto Atendimento do bairro Santa Paula, em Ponta Grossa, de onde foi liberada pelo médico que a atendeu com o diagnóstico de infecção urinária.

Os filhos disseram que a mãe deu entrada na UPA por volta das 15 horas do sábado, dia 25 de junho, permanecendo no local até perto das duas da manhã do domingo, quando o médico a teria liberado.

Perto do meio-dia do domingo, ainda com dores e passando mal, ela teve o quadro agravado, não resistiu e entrou em óbito na residência da família perto das três horas da tarde. O SAMU chegou a ser chamado, mas ela já estava morta.

“Os profissionais do SAMU disseram que a morte seria atestada como de origem desconhecida, isso porque ela já havia morrido quando chegaram. Mesmo assim comentaram com a gente que ela apresentava características que sugeriam que tinha morrido por infarto”, conta Valderi Correia, um dos filhos de Beatriz.

“Ela tinha uma rouxidão estranha no pescoço que em nada tem a ver com infecção urinária. Temos certeza de que se o caso fosse tratado como infarto desde o sábado, lá na UPA, nossa mãe ainda estaria viva. O médico foi omisso e negligente no caso dela, e por isso vamos reunir a documentação e levar ao Ministério Público para que outras famílias não passem pelo que passamos”, completou Valderi.

O que diz a prefeitura

Procurada pelo Correio dos Campos para comentar o caso e informar quem seriam os responsáveis pela atual gestão da UPA Santa Paula, a Prefeitura de Ponta Grossa preferiu não se manifestar.