Correio dos Campos

90 CPFs de pessoas mortas foram usados para furar fila da vacinação contra a Covid-19, aponta comissão

De acordo com a Comissão Especial da Alep, há registros de casos de fraude em 30 cidades do Paraná.
26 de Maio de 2021 às 14:50
(Foto: Reprodução)

CPFs de 90 pessoas mortas foram usados para furar a fila de vacinação contra a Covid-19, segundo dados levantados pela Comissão Especial da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) criada para apurar irregularidades na imunização.

Segundo a comissão, as irregularidades foram verificadas em 30 cidades do estado.

O levantamento inicial, feito pela Controladoria-Geral da União (CGU) e repassado para a Alep, constava inicialmente 100 registros de pessoas que tinham sido vacinadas com documentos de pessoas mortas.

A apuração da Alep, no entanto, identificou que dez casos da lista se tratavam de pessoas que tinham direito à vacina e eram homônimas de outras que já morreram.

De acordo com o presidente da Comissão Especial, Fernando Francischini (PSL), os dados apontam que estas pessoas tomaram pelo menos uma das doses da vacina.

“É uma informação que pode estar desatualizada, pois ela é de dois meses atrás. Vamos investigar também se estas pessoas retornaram para tomar a segunda dose”, afirmou.

Segundo Francischini, as prefeituras das cidades onde há casos de fraude estão sendo questionadas e, posteriormente, o caso deve ser levado ao Ministério Público (MP-PR).

“São casos graves, que vamos apurar um a um para identificar todas as pessoas”, completou.

Vacinação no Paraná

De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), 2,3 milhões de pessoas foram imunizadas com pelo menos uma dose de vacina no Paraná até a manhã desta quarta-feira (26), o que representa cerca de 20% da população do estado.

Segundo a Sesa, 1,1 milhão de pessoas recebeu as duas doses do imunizante.

Desde o início da pandemia, 25 mil pessoas morreram vítimas da doença no estado. Ao todo, a Sesa registrou 1 milhão de pessoas infectadas.

Fonte: G1