Correio dos Campos

Saúde de PG zera demanda reprimida para realização de Ultrassom de Mama

30 de Maio de 2017 às 12:28

Nas últimas semanas a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), através do Centro Municipal da Mulher (CMM), realizou mutirões para zerar a demanda reprimida de pacientes que aguardavam o exame de Ultrassom de Mama. Em fevereiro deste ano o CMM tinha 1.949 solicitações para efetuar o exame, estas registradas desde outubro de 2015. O mutirão iniciou em fevereiro e encerra amanhã (31).
A parceria entre Estado e Município, além de zerar a demanda reprimida, conseguiu encaixar as pacientes cadastradas em urgência e emergência, fazendo com que a espera eletiva voltasse a sua normalidade. Dessa maneira o CMM totalizou 2.136 exames agendados. “A ultrassonografia da mama é um exame que tem por finalidade analisar o tecido mamário e colher informações sobre lesões e nódulos de maneira mais precisa do que a mamografia. Poder realizar esse mutirão foi de grande valia para as pacientes, fazendo com que elas deem andamento nos tratamentos, se necessário”, destaca a coordenadora do Centro Municipal da Mulher, Renata Moraes.
O CMM fez os agendamentos, encaminhamento das mulheres e tentou entrar em contato com todas as pacientes, mas em alguns casos os telefones estavam desatualizados no sistema. Dessa maneira é importante que as pessoas sempre deixem seus dados atualizados na Unidade Básica de Saúde mais próximas de sua residência.
“Caso alguma paciente, que esteja aguardando o exame, não tenha sido agendada, é porque o CMM não conseguiu contato. Se isso aconteceu, ela deverá procurar sua Unidade de Saúde para que seja solicitado novamente o exame”, ressalta Renata.
A clínica que se credenciou para realizar os exames no mutirão foi a MK Clinic e registrou que 739 pacientes faltaram os exames. “É necessário  que as mulheres tenham consciência da importância desse trabalho de mutirão, pois ajuda a desafogar as filas de espera. Se a paciente se compromete de comparecer no dia e hora marcada e não aparece, isso compromete toda a agenda”, finaliza a coordenadora.