Correio dos Campos

Jovem morre em SP após passar um ano com gaze enrolada no intestino

Jovem morre em SP após passar um ano com gaze enrolada no intestino
11 de Maio de 2020 às 08:55
Jovem morreu após médicos encontrarem gaze enrolada em seu intestino. — Foto: Arquivo pessoal/Davi Fernando

Uma mulher morreu após ter uma gaze encontrada enrolada no intestino ao passar por um procedimento cirúrgico de emergência em um hospital de São Vicente, no litoral de São Paulo. De acordo com o relato de parentes ao G1, a informação foi dada à família por um médico após a cirurgia.

A jovem Sthefany dos Santos, de 29 anos, deu entrada no Pronto Socorro do Humaitá com fortes dores na região do abdômen no dia 4 deste mês. A situação ocorria há pelo menos um ano, mas Sthefany acreditava ser apenas uma cólica. Nos últimos meses, a situação se agravou, fazendo com que ela procurasse atendimento médico.

Internada com a suspeita de que a dor de tratava de pedras na vesícula, Sthefany foi transferida para o Hospital Municipal de São Vicente na terça-feira (5). Já na quarta (6), ela passou por uma cirurgia, onde os médicos descobriram a causa das dores e contaram aos familiares que haviam encontrado um objeto estranho dentro dela, enrolado no intestino.

“Ele disse que encontraram uma gaze, enrolada no intestino dela, durante a cirurgia”, conta o marido da jovem, Davi Fernando Pereira. “O médico contou que acabou perfurando, espalhando bactérias do intestino para o resto dos órgãos”, recorda.

Segundo o marido, o último procedimento cirúrgico pelo qual Sthefany passou foi quando o filho mais novo nasceu em uma cesárea, em janeiro de 2019, no Hospital São José. Ela não reclamava das dores antes do parto.

Os médicos chegaram a demonstrar esperança na recuperação de Sthefany após a retirada da gaze, diz Davi. “Eles disseram que ela era uma guerreira, que ia conseguir sair bem”, conta. No dia seguinte, internada na UTI, ela faleceu devido às complicações.

“Nos últimos meses, ela chorava de dor, gritava pedindo ajuda”, recorda Davi. “Mataram minha mulher. Ninguém espera ir para um parto e sair com uma gaze lá dentro. Agora nossos três filhos vão crescer sem mãe.”

A família está à espera do laudo que determinará as causas da morte da mulher, constando o objeto estranho, para entrar na Justiça para levantar a ficha da paciente no hospital onde a cesárea foi feita, no ano passado.

Procurada pelo G1, a Prefeitura de São Vicente, por meio da Secretaria da Saúde (Sesau), informou que qualquer informação sobre pacientes deve ser solicitada pela família, na sede administrativa da Sesau, que fica na Rua Padre Anchieta, 465, no Centro.

Fonte: G1