Correio dos Campos

O que fazer para o implante dentário ter durabilidade máxima

1 de Maio de 2022 às 08:00

COM ASSESSORIAS – O implante dentário é, hoje, a melhor alternativa para se restabelecer o sorriso. Ele traz benefícios para a autoestima e, ainda, devolve a plena função mastigatória, reajustando a mordida e melhorando a digestão e a saúde como um todo.Para completar, o implante ainda mantém a estrutura maxilar, preservando a estética facial, e é fácil de ser higienizado.

E o mais importante: os implantes têm potencial para durar por toda a vida, como se fossem dentes naturais.

Com isso, em linhas gerais, o implante melhora significativamente a qualidade de vida de todos que precisam de substitutos para os dentes.

Mas, afinal, qual seria a sua duração? “O tratamento tem potencial para ser definitivo”, diz o cirurgião-dentista Fábio Bezerra, PhD em Biotecnologia, mestre em Periodontia e diretor global de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da S.I.N. Implant System. “Maximizar a vida útil dos implantes dentários requer atitudes muito semelhantes aos cuidados com os dentes naturais, como, por exemplo, realizar a escovação após as refeições e fazer uso do fio dental regularmente”, continua. “No mais, é fundamental que o paciente faça visitas regulares ao dentista, no mínimo, a cada seis meses”, conclui.

Veja, em detalhes, cinco fatores que contribuem para a máxima longevidade dos implantes dentários, segundo o especialista:

1) Manter uma boa higiene bucal. “É recomendada a escovação dos dentes após cada refeição, no mínimo três vezes ao dia, sempre com o uso de fio dental associado”, diz Fabio. “Isso evita o acúmulo de resíduos alimentares e a formação da placa bacteriana, que pode levar a infecções na área em torno do implante e comprometer sua durabilidade”.

2) Procurar uma clínica confiável e referenciada. O paciente deve sempre buscar um dentista qualificado e que esteja atualizado na área da Implantodontia. Procurar saber os títulos e especializações do profissional é um bom termômetro. “É um investimento para toda a vida”, diz Bezerra. Além disso, o especialista alerta que o ideal é que o dentista sempre entregue para o paciente um documento sobre o implante utilizado, contendo a marca e outras especificações importantes. “Vale destacar que o implante pirata representa um sério risco à saúde bucal, podendo causar até mesmo infecções”.

3) Evitar o cigarro e a ingestão de bebidas alcoólicas. Sabe-se que pacientes que têm o hábito de fumar muito ou consumir regularmente elevadas quantidades de álcool apresentam risco maior de falha no implante. “Para prevenir o problema, os dentistas recomendam que não se fume ou beba álcool durante os primeiros dias do período pós-operatório”, alerta o especialista.

4) Dizer não ao desgaste dentário. Hábitos como roer as unhas e morder objetos são altamente prejudiciais quando a ideia é manter a longevidade dos implantes. “O paciente deve evitar também mastigar alimentos muito duros e crocantes, assim como ranger ou apertar os dentes”, diz Bezerra.

5) Visitar regularmente o dentista. O ideal é que as consultas sejam agendadas a cada seis meses, ou conforme orientação profissional. “Estas avaliações são fundamentais para o dentista verificar se está havendo alguma sobrecarga no implante, se a higienização está sendo correta ou precisa de ajustes e, também, checar se há algum fator passível de risco que possa ser contornado”, diz Fabio.