Correio dos Campos

Telêmaco Borba apresenta risco para epidemia de dengue

25 de março de 2022 às 11:09
(Foto: AEN-PR)

COM ASSESSORIAS – Telêmaco Borba tem risco médio para epidemia de dengue. Os dados são do 2º Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa) realizado entre os dias 14 a 18 de março e colocam Telêmaco Borba em alerta.

O LIRAa tem o objetivo de identificar as localidades onde a infestação de larvas do mosquito está mais alta, permitindo a identificação das áreas com maior índice, sendo importante para que as estratégias de trabalho sejam traçadas priorizando os locais mais afetados. Com o resultado é possível traçar metas para proteger a população da infecção por arboviroses (dengue, zica, Chikungunya e febre amarela urbana). Também permite a população conhecer a situação atual e promover medidas de enfrentamento em suas residências e locais de trabalho.

Segundo a coordenadora de Combate de Endemias, Ana Cláudia Natel, o resultado é preocupante, pois a maioria dos bairros tem o indicativo para risco de epidemia. “Precisamos que cada morador verifique seu quintal e dentro de casa, toda semana. A sexta-feira é o Dia do Mutirão Nacional de Combate e todos deveria fazer uma busca a procura dos criadouros nesse dia, tornando um hábito”, disse Ana Cláudia enfatizando que os locais de trabalho também precisam ser vistoriados.

Na primeira semana de janeiro, o índice municipal foi de 0,7 – baixo risco de epidemia – agora, o índice subiu para 2,2, colocando Telêmaco Borba num estágio de médio risco/alerta de epidemia.

Foram realizadas 1.730 visitas durante os quatro dias de trabalho, o que corresponde a 20% do número de imóveis do município.

Os locais com maior número de focos encontrados são: lixos facilmente removíveis (recipientes plásticos, garrafas, latas, sucatas), depósitos de armazenamento de água e pneus. Vale ressaltar que o maior número de focos foi encontrado em imóveis residenciais.

 

Acompanhe as áreas de abrangência das UBS, e seus respectivos índices:

Estrato 1: índice 3,2 – MÉDIO RISCO DE EPIDEMIA

Jardim Bandeirantes, Área 6, Área 2 e Vila Izabel

 

Estrato 2: índice 0,7 – BAIXO RISCO DE EPIDEMIA

Jardim Alegre, Vila Esperança, Bela Vista

 

Estrato 3: Índice 2,1 – MÉDIO RISCO DE EPIDEMIA

Marinha, Centro, Alto das Oliveiras e Socomin

 

Estrato 4: Índice 2,8 – MÉDIO RISCO DE EPIDEMIA

Santa Rita, Cem Casas, CAIC, BNH, São Silvestre

 

Sintomas da dengue

Em casos de aparecimento de sintomas (febre, dores musculares, dor nos olhos, mal-estar, falta de apetite, dor de cabeça, manchas vermelhas pelo corpo), a orientação é procurar atendimento médico.