Correio dos Campos

Projeto do Colégio Sepam incentiva cultivo de horta entre alunos

Iniciativa permite que crianças plantem, cuidem e consumam as hortaliças e temperos cultivados no espaço
18 de Maio de 2022 às 08:52
(Foto: Divulgação)

COM ASSESSORIAS – Desenvolver a resiliência, a paciência, o gosto pelo cultivo de plantas e os cuidados com a natureza são alguns dos benefícios que os alunos da Educação Infantil do Colégio Pontagrossense Sepam recebem com o projeto Horta Escolar, que em 2022 completa 11 anos de existência. Contando com a parceria de acadêmicos de Agronomia, o projeto vem gerando frutos para as crianças, que plantam, cultivam e consomem os alimentos produzidos na instituição.

“O objetivo do projeto é que os alunos acompanhem o desenvolvimento das plantas; entendam todos os cuidados necessários para o amadurecimento das hortaliças, temperos e flores; e realizem comparações entre a evolução da muda e da semente. Com isso, desenvolvem a paciência, já que precisam esperar para ver uma planta crescer a partir de uma semente plantada na terra”, explica a coordenadora pedagógica do Colégio, Kátia Gisele Costa.

Diariamente, os estudantes regam e limpam os canteiros, além de receberem semanalmente uma orientação técnica sobre o cultivo de mudas e sementes, por meio de uma parceria com alunos de Agronomia da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). No espaço, são plantadas flores e também temperos e hortaliças, que são introduzidos nas refeições dos alunos envolvidos com o projeto.

A Horta Escolar integra os projetos pedagógicos da Educação Infantil. Semestralmente, uma turma fica responsável pelo cuidado do espaço. Ao fim de cada período, as flores cultivadas são entregues às famílias dos estudantes, o canteiro é renovado e a terra tratada para que novos alunos possam realizar as atividades no local.

“Hoje em dia, as crianças têm pouca convivência com o ambiente rural. Muitas delas nunca pensaram a respeito do cultivo de um legume, por exemplo. Nunca se perguntaram como foi que a salada chegou até a mesa. Então, poder plantar um brócolis, uma cenoura, acompanhar o desenvolvimento, colher, levar para o refeitório e comer sabendo que elas mesmas plantaram é uma satisfação e as deixam maravilhadas com a experiência”, finaliza Kátia.