Correio dos Campos

Falta de transparência causa constrangimento aos vereadores

Reajuste aprovado de última hora obrigou Câmara a voltar atrás.
24 de Maio de 2018 às 19:54
Foto: Diário dos Campos

REDAÇÃO/Correio dos Campos – Os vereadores da Câmara Municipal de Ponta Grossa aprovaram ontem (23), em duas sessões, um reajuste de 3,86% para os próprios salários. No mesmo Projeto de Resolução estava também a proposta de aumento de 5% para os servidores concursados do Legislativo. O anúncio do aumento para os próprios salários pegou a população de surpresa e gerou muita indignação. Além do momento inapropriado, com a paralisação dos caminhoneiros por conta do alto preço dos combustíveis pago pelo consumidor em todo o país, o projeto não estava sequer previsto na Ordem do Dia para votação.

Por isso, mal acabou a sessão e as críticas começaram. Até mesmo alguns vereadores reclamaram da maneira como foi conduzida a sessão. De acordo com o vereador Geraldo Stocco (Rede), havia a expectativa de se votar os projetos separadamente. “Eu tentei votar de forma separada os dois projetos, assim votaria contra o aumento no próprio salário. Mas como não foi possível, acabei votando favorável para beneficiar os servidores e vou repassar o meu aumento, que fica na casa dos R$ 380, para uma instituição do município” afirmou.

O desgaste causado pela votação poderia ter sido evitado se a Mesa da Casa tivesse adotado postura semelhante a que já foi usada na própria Câmara durante a gestão do então presidente – hoje deputado federal – Aliel Machado (2013/2014). Naquele período, Aliel determinou a proibição da inclusão de projetos que não estivessem previstos na Ordem do Dia. Além disso, Aliel não realizava duas sessões no mesmo dia, sempre encaminhando a discussão de projetos importantes para a sessão seguinte, permitindo assim que a sociedade acompanhasse de forma mais transparente o que estava sendo debatido pelos vereadores.

Medidas mais transparentes como estas certamente teriam um impacto negativo menor do que ocorreu após a votação de ontem. Tanto que nesta quinta-feira, através de uma coletiva de imprensa, o presidente da Câmara, Sebastião Mainardes, voltou atrás e garantiu que a Câmara deve revogar o aumento do salário dos vereadores, mantendo apenas o reajuste para os servidores.