Correio dos Campos

Prefeitura publica edital para escolha de empresa que administrará o Mercado Municipal

30 de Maio de 2017 às 17:56

“O Mercado Municipal está cada vez mais próximo de ser devolvido à população em pleno funcionamento”. Essa é a afirmação do prefeito Marcelo Rangel, que publicou hoje (30) o edital para a licitação da concessão de uso e exploração do local. O documento prevê que a concorrência pública seja realizada no dia 1º de agosto e determine a empresa que terá o dever de reformar, ampliar e administrar toda a estrutura interna e externa do chamado “Mercadão”.

Segundo Rangel, o investimento da iniciativa privada será de no mínimo R$ 67 milhões, podendo chegar até a marca de R$ 80 milhões. Após o contrato, a empresa concessionária terá até 12 meses para finalizar a remodelação do Mercado e a adaptação de andares para garagens; 30 meses para construir um hotel nas dependências, e até 36 meses para o todo complexo estar em pleno funcionamento. “O Mercadão é sinônimo de comércio, cultura e lazer. Muitos ponta-grossenses têm sua história ligada a esse local, e a sua reabertura trará isso de volta”, analisou o prefeito.

A concessão de uso do imóvel está regulamentada pela Lei Municipal nº 12.755/2017, e o prazo de duração é de 35 anos. As empresas interessadas em participar do procedimento licitatório deverão obrigatoriamente comprovar, observados os limites da lei, habilitação jurídica, regularidade fiscal, qualificação técnica e qualificação econômico-financeira compatíveis com o objeto da concessão, além de apresentar Plano Técnico Operacional.

O anúncio de abertura de edital foi feito na tarde desta terça-feira (30) através de uma coletiva de imprensa na Prefeitura Municipal. Na ocasião, o secretário municipal de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional, Paulo Carbonar, destacou que, assim como outros desafios recebidos pela sua pasta, como a revitalização do Aeroporto Sant’Ana e da Estação Saudade, o Mercado Municipal também está tendo um processo bem sucedido.

“Foram dois anos de luta e diversos conselhos, estudos, audiências públicas, apresentações de propostas e votações na Câmara”, refletiu Carbonar, que também afirmou que o município não terá que fazer nenhum desembolso para o projeto. “A nossa única contrapartida é a concessão do terreno por tempo estipulado. Será responsabilidade da iniciativa privada o investimento monetário e o cumprimento de prazos”, frisou o secretário municipal.

Outro ponto levantado durante o anúncio do edital foi o desenvolvimento turístico e industrial da cidade. “Ponta Grossa é turística, e as revitalizações de grandes espaços vêm para confirmar isso. Tudo acaba entrando num ciclo que começa pelo deslocamento do PIB. Ou seja, o dinheiro de turistas, empresas e indústrias que seria investido em outras cidades passa a entrar na economia de Ponta Grossa”, explica a vice-prefeita e presidente da Função Municipal de Turismo, Elizabeth Schmidt.