Correio dos Campos

Vacinação contra a gripe segue até 31 de maio em Piraí do Sul

Meta da campanha para 2018 é atingir 90% do grupo prioritário no município.
14 de Maio de 2018 às 17:04
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

REDAÇÃO/Correio dos Campos – Depois de participar no último sábado (12), do ‘Dia D’ da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, a Secretaria Municipal de Saúde de Piraí do Sul anunciou nesta segunda-feira (14) que doses da vacina continuarão sendo aplicadas, até o próximo dia 31 de maio, em pessoas que fazem parte do grupo prioritário, definido pelo Ministério da Saúde.

Poderão procurar as unidades básicas de saúde Marcos Milléo (Central), Dr. Jorge, Maíra Milléo e Thereza Vianna para receber a vacina: idosos (a partir de 60 anos); gestantes e puérperas (mulheres que tiveram bebês há pouco tempo); professores que atuam dentro de salas de aula (escolas públicas e privadas); trabalhadores da área de saúde; crianças (de 6 meses até 4 anos, 11 meses e 29 dias); pessoas portadoras de doenças respiratórias crônicas; e trabalhadores do sistema prisional.

Aplicação em domicílio – Pessoas acamadas que não podem se deslocar até a unidade de saúde podem ligar na Secretaria Municipal de Saúde – Setor de Vigilância Epidemiológica – pelo telefone 3237-4219, para agendar a vacinação em casa. No dia e horário marcado um profissional de enfermagem irá até a residência da pessoa para aplicar a vacina.

Segundo o secretário municipal de saúde, Júlio Cezar Sandrini, “a vacina contra a gripe é a melhor e a mais segura forma de se proteger contra a doença. É muito importante que as pessoas procurem as Unidades de Saúde dentro do prazo, não só para evitar a doença, mas porque a campanha não será prorrogada. É necessário um prazo de 15 dias para garantir a proteção contra o vírus, por isso quanto antes tomar a vacina melhor”.

“A vacina não provoca a gripe, pois é feita com o vírus morto. Portanto, é 100% segura e incapaz de provocar a doença nas pessoas que são vacinadas. Reações adversas são consideradas raras, mas podem ocorrer casos de vermelhidão e endurecimento do local onde a injeção foi aplicada. A vacina não deve ser tomada por pessoas com alergia grave relacionada a ovo de galinha” comenta Sandrini.

De acordo com o secretário, “a maior preocupação na campanha neste ano é garantir cobertura vacinal semelhante em todos os grupos considerados prioritários. Junto com o Setor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, observamos que, embora a cobertura no ano passado tenha atingido a meta, em algumas populações ela esteve abaixo do que seria considerado ideal. Foi o caso, por exemplo, das crianças entre 6 meses e 5 anos”.

“Esperamos nessa campanha atingirmos a meta em todos os grupos, mas para isso é necessária a participação da população”, finaliza.