Correio dos Campos

Mauro de Oliveira disse que saibreira foi fechada por omissão na gestão de Tim Milléo

23 de Maio de 2017 às 00:34

Outro importante assunto tratado durante a última sessão ordinária da Câmara Municipal, realizada na noite desta segunda-feira, 22, foi a questão do embargo da saibreira, fato que tem atrapalhado a manutenção das estradas rurais e também dos bairros do quadro urbano da cidade.

Segundo o diretor de Obras da atual gestão, Mauro de Oliveira, o preço que Piraí do Sul está pagando pelo impedimento de operar na extração de saibro e que tem sido bastante caro, teve origem pela omissão da antiga gestão municipal.

“Entre os anos de 2009 e 2012 foi elaborado um PCA que previa questões relacionados a saibreira, como os cuidados com a drenagem, o cercamento da área e também dados sobre o controle de extração, tudo regulamentado pelo IAP (Instituto Ambiental do Paraná) e o DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral)”, disse.

“O que ocorreu dali para frente é que o registro obtido na época para extração venceu em março de 2013 e acabou não sendo renovado. Teve uma ação civil pública tratando do assunto e na gestão passada (de Tim Milléo) as medidas acordadas com o Ministério Público e com os órgãos ambientais deixaram de ser cumpridas. E isso originou o embargo da área”, emendou.

Medidas adotadas – O diretor informou ainda que a atual gestão atua na recuperação e instalação de cercas na região e que pretende fazer a drenagem necessária. Segundo ele, um geólogo deverá examinar área para definir as questões técnicas relacionadas a extração do material, para só depois disso a prefeitura requisitar nova vistoria de técnicos do IAP para análise do pedido de liberação da saibreira.