Correio dos Campos

Família de modelo não acredita na versão de que ela se matou após atirar em delegado no ABC

Parentes de Priscila de Bairros disseram que ela e Paulo Bilynskyj queriam se casar em junho após se conhecerem pela internet. Ela morreu baleada e ele foi ferido em São Bernardo
25 de Maio de 2020 às 15:48
(Divulgação/G1)

G1 – A família da modelo morta, após ser baleada no apartamento de um delegado em São Bernardo do Campo, no ABC, não acredita na versão dada pelo namorado, de que ela atirou nele para tentar matá-lo e depois se suicidou.

O caso ocorreu na manhã da última quarta-feira (20) e é investigado pela Polícia Civil como tentativa de assassinato e suicídio.

A modelo Priscila de Bairros tinha 27 anos e morreu após chegar ferida com um tiro no peito no hospital. O delegado Paulo Bilynskyj tem 33 anos foi baleado na mão, fígado, tórax e bacia, mas sobreviveu. Passou por cirurgia e até a publicação desta matéria continuava internado.

A versão apresentada pelo delegado é de que a namorada atirou nele, quando este saía do banho, após ter visto mensagem no celular dele de uma ex-namorada. Familiares da modelo, no entanto, não acreditam nessa hipótese.

“Não. Não acreditamos. A família não acredita [na versão de que ela se matou e atirou no namorado]”, disse um parente de Priscila que pediu para não ser identificado.

Além de delegado, Paulo é instrutor de tiro e faz sucesso na internet com vídeos e fotos de operações policiais em suas redes sociais. Um de seus canais tem 350 mil inscritos.

Em algumas fotos pessoais na web, Priscila também aparece empunhando armas. Mas segundo parentes dela, o primeiro contato com armas que ela teve foi com Paulo e não tinha nem um mês de experiência com arma.

Família

Segundo a família, esses seriam outros argumentos para não acreditar que a modelo pudesse tentar matar o namorado, mesmo após ver uma mensagem de uma ex-namorada no celular do delegado.

“Primeiro pelo pouco tempo que ela teria de manuseio com arma. Não acredito que ela teria essa vontade de querer matar outra pessoa. Ela não gostava que maltratasse animal, ela preservava muito a vida, as relações”, completou o parente.

Priscila e Paulo se conheceram em dezembro do ano passado pela internet. Em fevereiro deste ano se encontraram no Paraná pela primeira vez. No final de abril, a modelo e o delegado resolveram morar juntos no apartamento dele na Avenida Francisco Prestes Maia, no Centro de São Bernardo.

O imóvel fica no mesmo prédio onde reside o ex-presidente Lula. Segundo amigas de Priscila, o casal pretendia se casar em 5 de junho em São Bernardo do Campo.

“Me parece que foi uma situação muito inusitada dizer que uma mensagem interceptada por ela de uma ex-namorada do doutor Paulo pudesse despertar nela uma ira ao ponto dela disparar todas essas vezes contra o doutor Paulo, e depois virar essa arma para o seu próprio peito e disparar um tiro mortal”, disse o advogado da família de Priscila, José Roberto Rodrigues da Rosa.

Armas

Laudo da perícia irá apontar se Priscila atirou mesmo contra Paulo. Uma arma foi encontrada próxima ao corpo da modelo pelos policiais militares que atenderam a ocorrência. Exames preliminares encontraram pólvora nas mãos dela. O delegado ainda não passou por exames e nem foi ouvido oficialmente.

Eles foram chamados por um vizinho que escutou barulho de tiros no apartamento do delegado.

A Polícia Civil analisa imagens de câmeras de segurança que mostrariam Paulo se arrastando até o elevador para pedir ajuda.

A pistola, que teria sido usada no crime, foi periciada e apreendida, juntamente com mais cinco armas (outra pistola, dois fuzis, uma metralhadora e uma espingarda) e munições.

Segundo a advogada de Paulo todas as armas são dele e estão legalizadas, com os registros entregues à polícia.

Casamento

“Aqui tá tudo certo. Tá muito bom ficar em casa e organizar as coisas do meu jeito. Agora, quarentena, os comércios tão tudo fechado. A gente queria comprar umas coisas novas pro apartamento”, gravou Priscila num áudio por WhatsApp para uma amiga.

“Vamos casar em breve”, escreveu a modelo ainda no aplicativo por celular.

Antes, porém, o casal pretendia visitar pais da modelo em Parobé, no Rio Grande do Sul, na sexta-feira (22) passada.

“O Paulo tá muito ansioso para conhecer os meus pais, e aí a gente vai, vai pra lá. E amanhã, a princípio… amanhã, se der tudo certo, a gente vai marcar o casamento”, contou Priscila para amigas em mensagem de áudio pelo celular.
Paulo também chegou a mandar mensagem de voz para os futuros sogros sobre os planos de trazê-los para o casamento. “Sogrinha, ontem à noite, a gente comprou a passagem pra vocês virem, tá?”.

Mas os planos do casamento foram interrompidos após tiros serem ouvidos no apartamento do casal na quarta-feira.

Delegado

Quando chegou ao hospital, Paulo gravou em vídeo sua versão para o que aconteceu entre os dois.

“Ontem [terça-feira, dia 20], Priscila, minha namorada, viu uma mensagem de antes de ela ir para minha casa. Hoje [quarta-feira], antes de eu sair do banho, ela deu seis tiros em mim. Depois deu um tiro nela mesma”, disse Paulo, que aparece deitado numa maca, dentro do primeiro hospital para onde foi levado.

De acordo com o boletim de ocorrência, o delegado rastejou ferido até o elevador e pediu socorro.

“Eu acredito na versão dele [de que a namorada tentou mata-lo após ver uma mensagem e depois se matou]”, falou a advogada de Paulo, Priscila Silva da Silveira.

O teor da mensagem que teria feito a modelo atirar no delegado e tirar a própria vida ainda não foi revelado.

“O que aconteceu de fato naquele dia só quem vai poder esclarecer é a perícia e o Paulo”, disse a advogada do delegado. “Essa motivação só ele vai poder confirmar”.

“A família não está buscando vingança. A família não quer nenhum tipo de justiçamento. A família só quer a verdade”, afirmou o advogado da família da modelo, José.