Correio dos Campos

Carrinheiros que iam a pé para Ponta Grossa ganham ajuda pelo WhatsApp e chegam em casa

Após dificuldades na capital, os trabalhadores ganharam alimentos e carona para a casa
12 de Maio de 2020 às 11:05
Foto: Banda B

Após os carrinheiros Antônio Alves, de 63 anos, e Elias Santos, de 55 anos, decidirem sair de Curitiba e voltar a pé para Ponta Grossa, um grupo de WhastApp resolveu ajudar os trabalhadores, na noite desta segunda-feira (11). Por conta da pandemia de covid-19, Toninho e Elias (como são chamados pelos mais próximos), estavam em um situação difícil na capital e, por isso, voltaram para casa.

Eles partiram para Curitiba em busca de uma vida, porém, como contou o carrinheiro Elias Santos, nada deu certo. “Eu e o Antônio fomos para Curitiba trabalhar. Deu tudo errado e ficamos na rua. Ficou tudo difícil. Conseguimos carrinhos para trabalhar, porém, estava tudo complicado e decidimos voltar para Ponta Grossa a pé. Porém, o pessoal de um grupo nos ajudou com alimentos. Conhecemos o Graciomar, uma pessoa maravilhosa que nos hospedou e pagou o guincho pra chegarmos aqui”, disse o trabalhador, em entrevista à Banda B na manhã desta terça-feira (12).

Santos falou que estava na estrada quando foi abordado pelo participante do grupo de Graciomar. “Estávamos saindo de Curitiba e vindo a pé para Ponta Grossa, perto do São Braz, quando eles nos ajudaram. Graças a Deus estamos em casa”, contou o carrinheiro.

Para Antônio Alves, tudo saiu melhor do que o planejado. “Fizemos uma viagem boa, tudo tranquilo, o grupo nos ajudou e ja estamos em casa”, explicou Toninho para a Banda B.

O metalúrgico Graciomar Perboni, que foi quem hospedou os carrinheiros em casa, contou o motivo de ter ajudado os dois. “Como eles foram vender os carrinhos e ninguém parava nada por conta desse corona, eles decidiram levá-los andando. Mas como um senhor de 63 anos levar um carrinho desses andando, um senhor de 63 anos”, falou Perboni, em entrevista na manhã desta terça-feira (12). “Eles dormiram aqui em casa, jantaram, tomaram café da manhã. Eles estavam aqui perto de casa e eu pensei que não custa ajudar, né? O guincheiro ajudou com metade do valor do transporte”, completou o metalúrgico.

Na manhã desta terça-feira (12), os trabalhadores chegaram em Ponta Grossa, onde finalmente terão um descanso.

Fonte: BandaB