Correio dos Campos

Em Palmeira, pais de alunos de CMEI viram coletores de lixo reciclável na atividade ‘Sentindo na Pele’

28 de Maio de 2018 às 17:06
Foto: Gabriel Osternack Lima.

IMPRENSA/Palmeira – Pais de alunos da creche II do Centro Municipal de Educação Infantil Alderico Viante, participaram da atividade ‘Sentindo na Pele’, do programa ‘Nosso lixo de cada dia’, na noite de sexta-feira (25). A ação fez parte do Programa Agrinho 2018, que tem como tema ‘As coisas que ligam a cidade e o campo e nosso papel para melhorar o Mundo’, e transformou dois pais em coletores da empresa LS Reciclagem.

Os pais Eloir José Voichicoski e Luciano de Matos Costa percorreram um trecho da rua Conceição, desde a praça Marechal Floriano Peixoto até a praça Domingos Theodorico de Freitas, coletando os lixos recicláveis e depositando em um caminhão que os acompanhava, como fazem os coletores profissionais.

A ideia de realizar a atividade partiu da coordenadora do projeto, a professora Roberta Vantroba. “Queria que os pais e a comunidade escolar sentissem na pele como é o trabalho dos coletores, além de demonstrar a quantidade de lixo que produzimos diariamente e não percebemos”, comentou.

Vantroba também frisou a importância de as crianças acompanharem a atividade. “Sei que o exemplo dos pais vai ficar para a vida toda dos alunos. Assim eles sempre terão consciência da importância de separar o lixo”, concluiu a professora.

A atividade também foi acompanhada por cerca de 30 pessoas ligadas aos alunos do CMEI, além do secretário municipal de Meio Ambiente, José Przybysewski. Para ele, a iniciativa da professora é louvável e deixará um legado para os seus alunos. “Nada melhor que realizar este tipo de trabalho voltado às crianças, pois elas são nosso futuro e assim serão conscientes para o resto de suas vidas.

A secretária municipal de Educação, Carla Patrícia Marcondes de Albuquerque, comentou sobre as atividades desenvolvidas no projeto ‘Nosso lixo de cada dia’. “O tema trabalhado pela professora Roberta, junto ao CMEI Alderico Viante, é relevante em nossa realidade. As estratégias utilizadas no projeto ‘Nosso lixo de cada dia’ são diversificadas e alcançam educandos, profissionais, pais e comunidade. Este feito permite que, além do conhecimento teórico, os atores envolvidos vivenciem o aprendizado, internalizando este processo, despertando o interesse em usar este conhecimento no cotidiano”, disse.

Albuquerque também falou sobre a ação realizada na noite sexta-feira. “A atividade ‘Sentindo na Pele’ permitiu a junção da teoria com a prática, vivenciando a realização de uma tarefa essencial para nossa qualidade de vida. Tenho certeza de que esta geração terá ainda mais amor por nosso ambiente e deixarão nosso mundo ainda melhor. Gratidão aos participantes desta atividade”, concluiu a secretária.

Já os pais relataram as dificuldades encontradas pelos coletores durante seus trabalhos. “Há uma mistura muito grande de material orgânico e reciclável. São poucas pessoas que separam o lixo e deixam em uma melhor condição de coleta”, disse Voichicoski. Para Costa “a dificuldade para o coletor é de separar o lixo. Algumas pessoas ainda não se conscientizaram que precisam separar o reciclável do orgânico. Além disso, deu para perceber que os coletores realizam um grande esforço físico para realizar o trabalho no tempo necessário”, comentou.

Mascote

Em abril deste ano uma das etapas do projeto foi a criação de um mascote utilizando apenas materiais recicláveis, trabalho feito pelos alunos e suas famílias. Ao todo 22 mascotes concorreram em uma eleição, que contou com votos da comunidade escolar. A vencedora foi uma coruja feita com papelão pelo aluno Theo Linhares Gouveia e pelos pais Talita e Rodrigo. Agora o mascote acompanha as atividades do projeto.