Correio dos Campos

Mais de 51 mil trabalhadores solicitaram o seguro-desemprego em abril, no Paraná

Em 2019, foram 40.413 no mesmo período - um aumento de 26%, conforme o Ministério da Economia; estado ficou atrás de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.
20 de Maio de 2020 às 08:27
(Divulgação/BANDA B)

No Paraná, foram 51.120 solicitações de seguro-desemprego em abril deste ano, conforme o Ministério da Economia. Em 2019, foram 40.413 no mesmo período – um aumento de 26%.

O estado ficou atrás de São Paulo com 217.247 solicitações, Minas Gerais com 85.990, Rio de Janeiro com 58.945 e Rio Grande do Sul com 53.055.

Por conta da pandemia do coronavírus e das restrições impostas pelo distanciamento social, quase todas as solicitações de seguro-desemprego têm sido feitas pela internet, já que as agências onde é possível dar entrada no benefício presencialmente estão com o atendimento total ou parcialmente suspenso.

O superintendente regional do Trabalho, Paulo Kroneis, tem orientado os trabalhadores a entrarem em contato via e-mail para iniciar o atendimento: [email protected]

É importante sempre ter em mãos os documentos pessoais, dados sobre a empresa e informações sobre o tempo de serviço. Tem direito ao seguro desemprego todo trabalhador com carteira assinada demitido sem justa causa e que não possua renda que seja suficiente para manter a família.

Também há regras definidas, recentemente, para o pagamento de um benefício – equivalente a uma parte do seguro-desemprego a quem teve redução de salário ou suspensão temporária do contrato de trabalho por conta da pandemia.

“A melhor ferramenta que a superintendência tem é um e-mail institucional que nós criamos. A partir do momento que ele [trabalhador] faz o pedido, a gente quer em 48h dar o retorno para ele”, afirmou Paulo Kroneis.

A assistente financeira Andressa de Oliveira foi demitida em março e está dependendo do seguro-desemprego que não chegou ainda porque, segundo ela, foi difícil dar entrada no pedido.

“Eu não estava conseguindo dar entrada por conta de erros, o aplicativo não tinha como fazer essa correção e as agências do trabalhador não estavam abertas. Depois, eu tentei novamente com um contato telefônico e eles resolveram na hora a divergência do aplicativo. Só que eu ainda não recebi. Vai fazer no dia 24 quase dois meses da demissão”, explicou Andressa.

Fonte: G1